Projeto Além da Estante e 3 bons motivos para frequentar bibliotecas

2 comentários
E esse texto começa com uma confissão minha. Sou leitora assídua desde a infância, mas nunca frequentei uma biblioteca. Os motivos? Ah, eram muitos, a maioria sem fundamentos ou argumentos reais. Sempre tive a ideia de que encontraria apenas livros de estudos ou uma ficção ultrapassada dentro desses espaços, isso mesmo muito nova. Por que? Nunca soube. Talvez me deixei levar pela biblioteca pequena da escola. Resultado: hoje, depois de 20 anos de existência, resolvi, quase como um desafio pessoal, mapear a realidade das bibliotecas em Salvador e ver o que posso encontrar indo além de minha estante.

Em apenas um mês, percebi 3 bons motivos para continuar frequentando bibliotecas, e resolvi tomar isso para mim como um projeto pessoal (e, quem sabe, literário). O Além da Estante fará parte de uma série de posts, enquanto este aqui eu te dou apenas os bônus de ir até uma biblioteca - e não uma livraria. O titulo do projeto, bem sugestivo, é mais uma realidade que estou procurando: o que posso encontrar lendo coisas que estão além da estante do meu quarto? Já estou descobrindo.

Três motivos para frequentar uma (ou várias!) biblioteca(s):

1- Praticidade

Você se acha uma pessoa ocupada? Eu também me achava. Mas entre um passeio e outro pelas estantes da biblioteca no centro da cidade, não costumo levar 10 minutos. Em mais 5, contando a ida ao balcão da bibliotecária e pegada do cartãozinho de entrega, já estou indo em direção ao ponto de ônibus. Sim, não demora nada. Mas, vejamos, se as pessoas possuem tão pouco tempo, porque as livrarias Saraiva e Cultura - as duas maiores de Salvador - continuam cheias independente do horário? Por que elas se tornaram quase espaços culturais, espaços mesmo de leitura, enquanto as bibliotecas da cidade estão vazias? São perguntas válidas para os leitores que sempre usaram esse argumento como desculpa.Inclusive, achei um texto interessante discutindo um pouco essa questão das bibliotecas vazias x livrarias cheias. Vale a leitura. Outro bem interessante, apesar de não problematizar muito a coisa, foi um publicado pelo Blog da Companhia das Letras: Leitor de livraria. Ah, e tem mais uma coisa: NÃO precisei deixar bolsa nenhuma em guarda-volumes em nenhuma das bibliotecas que fui há 2 anos, nem a que comecei a frequentar agora. Essa foi uma reclamação recorrente que encontrei em textos pela internet, mas que não vi por aqui (Salvador).

2- Acervo variado

Não estou dizendo que as bibliotecas estão cheias de lançamentos da semana passada das maiores editoras do Brasil, mas nem de longe elas estão tão ruins quanto ouço falar. Claro, ainda há muito a melhorar nas bibliotecas brasileiras, e não precisei de muito tempo para perceber isso. Só que uma coisa é fato: tem muito livro. E muito livro de tudo! Os maiores best-sellers de 2015 já estão lá, empoleirados na estante da biblioteca em que fui. Livros que eu queria muito ter lido, mas juntei dinheiro por meses pra comprar. Livros que eu poderia simplesmente ter ido lá e pegado emprestado, oras!


 

3- Economia de espaço e dinheiro

Esse item está relacionado com o de cima. Com certeza, se eu soubesse que aqueles livros que eu super queria ler mas não eram dos meus gêneros preferidos estavam disponíveis na biblioteca, não teria gasto dinheiro com eles. Por questões óbvias: não vejo porque guardar em minha estante um livro que depois de ler ficará lá de enfeite. As pessoas já conhecem minha casa como uma espécie de biblioteca. Não vejo problema em dar de presente aquele livro que li mas não amei, ou até mesmo esses de gêneros que eu não curto tanto. Mas, claro, livros de fantasia e romances históricos preferidos continuam sempre acessíveis em minha estante, prontos para uma releitura ou leituras rápidas para matar a saudade :)

Então, meu conselho: desapega que guardar livros por guardar chega a ser crime. Outras pessoas poderiam estar lendo esse livro que você leu, não gostou e deixou ali enfiadinho na estante.


Por que comecei o projeto?

A ideia, que acabou virando um projeto pessoal, não surgiu do nada. Há exatos dois anos eu fazia um trabalho fotográfico pela cidade para uma disciplina na faculdade de Jornalismo, e decidi que teria como tema as bibliotecárias (e bibliotecários!). Foi mais por uma assimilação de ideias: bem, eu gosto de livros, e há alguém que os ame mais do que quem trabalha 24h com isso? Rodei a cidade com a minha câmera, me perdi umas trinta vezes no processo, e acabei me deparando com mais perguntas que respostas - e algumas boas fotos. Primeiro: por que tão vazias?

Possivelmente pelo mesmo motivo que me fez evitar esses espaços por anos, uma mistura de preconceito e consumismo. E não venha me dizer que brasileiro lê pouco! Pelo menos, não a galerinha nova. Quantos blogs literários temos por aqui? E, afinal, quantas vezes não ouvi da boca de centenas de leitores: “ah, gosto do tato, gosto de ter o livro para mim”. Mas uma coisa virou certeza pra mim; não falta livros nas bibliotecas. Bons livros. E muito menos obras atuais, best-sellers recentes, como já citei ali em cima. Enquanto tirava as fotos e passeava pelas estantes, vi títulos recentes, de fantasia, de romance, nacionais e internacionais. Achei a coleção completa (até o momento) de Guerra dos Tronos e outras séries de sucesso, como Jogos Vorazes e Trilogia Millenium (meu amorzinho <3). E isso apenas num passeio rápido, de 10 minutos, que fiz entre uma das estantes. Harry Potter, livros do Bernard Cornwell e coleção da Sophie Kinsella foram outros dos meus achados, esses na minha visita mais recente à Biblioteca da Fundação João F. da Cunha, ali do ladinho do Teatro Castro Alves no Campo Grande. O próximo post do projeto falará dos livros que encontrei e quero ler :) Alguns estavam na lista de leitura há anos!

No que o projeto consiste?

Ah, estou levando isso mais como um projeto pessoal, alimentando uma curiosidade que nasceu em mim há tempos. Mas isso não impede que eu use o blog para divulgar achados, ou até convencer alguns leitores assíduos baianos a irem até uma das bibliotecas. :) Pretendo ir em várias, retraçando o caminho que fiz para o ensaio fotográfico, mas dessa vez para verificar o acervo e espaço para leitura.

Já estão programadas as resenhas de duas leituras das estantes da biblioteca que fiz esse mês. Ah, sim, esse é o lado bom de estar oficialmente desempregada: mais tempo para estudar, para ler, e para tocar projetos pessoais! Visitar bibliotecas vai fazer bem ao meu bolso agora mais pobre. <3

Todos os livros resenhados que advirem de bibliotecas, não se preocupem, terão na resenha a informação da biblioteca onde peguei ele emprestado. Afinal, um dos meus fortes objetivos nesse projeto é ajudar outros leitores de minha cidade linda. E estou aberta para mais dicas e troca de ideias!

2 comentários :

  1. Como seu blog tá lindo, quase não reconheci! E sobre os motivos para frequentar biblioteca: concordo com todos, mas aqui em Salvador é bem dificil encontrar, né? Eu só conheço a do Thales e a Monteiro Lobato </3

    irianneveloso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Iri <3 Vá na biblioteca da Fundação Joao F. da Cunha, no Campo grande <3 É maravilinda, sério!
    Beijo!

    ResponderExcluir