Resenha | Os Imortais de Meluha (Amish)

Nenhum comentário
É fácil um livro de fantasia me encantar. Uma boa história, com criaturas fantásticas e uma narrativa cativante não precisam de muito esforço pra me conquistar logo nos primeiros capítulos. Mas o que aconteceu comigo enquanto lia Os Imortais de Meluha é uma coisa que ainda não encontrei uma palavra para definir: será que estou apaixonada? Quase um mês se passou desde que li o livro, e o sentimento, esse pulsar de sangue constante, continua o mesmo. Será que esse foi o livro mais genial do ano (da década!) que li? Será? 

Para quem gosta de fantasia e história, um livro que costura tradição indiana e aventura é uma boa pedida. E nada é tão fácil quanto parece. O que Amish fez em seu livro foi transformar uma história já existente em uma epopeia, a busca do herói por respostas que acalentem seu coração. Eu consigo enxergar traços do Ciclo da Herança, de Christopher Paolini, em Imortais de Meluha. Eragon, protagonista criado por Paolini, busca o mesmo auto-descobrimento que Shiva, por incrível que possa parecer, também procura ao chegar na fantástica cidade de Meluha. 

Sim, Shiva é um dos deuses indianos mais importantes, mas o Shiva que Amish traz não é o deus, mas o humano que precedeu o mesmo. Shiva era o líder de uma antiga tribo tibetana, que vivia em pé de guerra com tribos vizinhas, quando os meluhanos chegaram ao local e convenceram que todos fossem morar na fantástica Meluha, cidade onde os sonhos virariam realidade e onde a luta pela sobrevivência não mais existiria - dando lugar a vida plena! A proposta parecia boa demais para ser realidade, para uma tribo com traços ainda selvagens, que caçava a própria comida e batalhava para manter a chama de seu legado acesa, mas aceitaram ir. E é ai que começa a aventura da vida de Shiva, com um caminho caudaloso e cheio de, principalmente, perigos. 


Meluha é uma cidade organizada milimetricamente para funcionar da melhor maneira possível. Enorme e grandiosa em sua própria essência, cada cidadão é tratado com igualdade e tem uma importante função dentro da sociedade. Com ciência já muito desenvolvida, também, conseguem viver séculos em plena saúde e juventude. Apesar disso, enfrenta graves problemas, e seus moradores e governantes confiam que uma antiga lenda e um único homem salvarão Meluha da total destruição. E esse parece ser o destino de Shiva.

"- Tal é a maldição do conflito constante: ele nos faz esquecer a parte mais bonita de sermos humanos."


Contar mais que isso acabará com o encanto da descoberta que o leitor vai trilhando com o passar das páginas. A forma como Amish constroi os personagens é realmente impressionante. Shiva é um deus na cultura indiana, sim, mas o Shiva que Amish traz é um cara tão humano quanto eu e você. Você sabe o que é transformar uma epopeia sagrada em uma narrativa aventureira humana? Foi o que Amish conseguiu fazer. É impossível não se apaixonar por cada um dos personagens, ao ponto que até os “vilões” ganham um espaço dicotômico e características de “mocinhos”. 


Uma verdadeira aventura que ainda não acabou. O final desse primeiro livro foi um dos melhores que já vi colocados em séries de fantasia, e necessito de verdade do próximo livro! E não se engane. Não só de batalhas e magia se faz um livro de fantasia, o romance também tem lugar nessa receita, assim como teve nessa primeira obra do autor. Então prepare seu coração para o mistério, amor e ação que esse livro te reserva, e posso apostar que, se você ama o gênero tanto quanto eu, vai adorar esse livro também. Depois me conte o que achou.


Autor: Amish
Editora nVersos
394 páginas
SkoobNota 10/10 | 5/5 estrelas
Sinopse: Os Imortais de Meluha - Os Imortais de MELUHA, primeiro volume da Trilogia SHIVA, é mais um lançamento da nVersos Editora e marca o início da história de Shiva, um homem que viveu cerca de 4.000 anos atrás, cujas aventuras eram tão grandiosas que as pessoas começaram a pensar nele como um Deus. A terra de Meluha, criada por um dos maiores monarcas, Lorde Rama, é um império cercado de perigos e ameaças, como a extinção do rio Saraswati reverenciado pelo povo, e que agora está lentamente secando. Eles também enfrentam ataques terroristas devastadores vindos do leste, a terra dos Chandravanshis. Para complicar ainda mais as coisas, estes parecem ter se aliado aos Nagas, uma linhagem de verdadeiros guerreiros que vivem à parte da sociedade em razão de suas deformidades físicas. A única esperança para os Suryavanshis é uma antiga lenda: Quando o mal atinge proporções épicas, quando tudo parece perdido, quando parece que os teus inimigos triunfaram, um herói vai emergir. Shiva é um rústico imigrante tibetano ou realmente esse herói? E afinal, ele quer ser esse herói? Desenhado de repente ao seu destino, por dever, bem como pelo amor, vai Shiva levar a vingança Suryavanshi e destruir o mal? Este é o primeiro volume da trilogia sobre Shiva, o homem simples cujo carma o transformou em o Deus dos Deuses.

Nenhum comentário :

Postar um comentário