Resenha | No Escuro (Elizabeth Haynes)

4 comentários
Saudações!
          Prontos para mais uma resenha? <3

Autora: Elizabeth Haynes
Editora Intrínseca
336 páginas
Nota 8
Skoob
Sinopse: Catherine aproveitou a vida de solteira por tempo suficiente para reconhecer um excelente partido quando o encontra: lindo, carismático, espontâneo... Lee parece bom demais para ser verdade. Suas amigas concordam plenamente e, uma por uma, todas se deixam conquistar por ele. Com o tempo, porém, o homem louro de olhos azuis, que parece o sonho de qualquer mulher, revela-se extremamente controlador e faz com que Catherine se sinta isolada. Amedrontada pelo jeito cada vez mais estranho de Lee, Catherine tenta terminar o relacionamento, mas, ao pedir ajuda aos amigos, descobre que ninguém acredita nela. Sentindo-se no escuro, ela planeja meticulosamente como escapar dele. Quatro anos mais tarde, Lee está na prisão e Catherine, agora Cathy, tenta reconstruir a vida em outra cidade. Apesar de seu corpo estar curado, ela tornou-se uma pessoa bastante diferente. Obsessivo-compulsiva, vive com medo e insegura. Seu novo vizinho, Stuart Richardson, a incentiva a enfrentar seus temores. Com sua ajuda, Cathy começar a acreditar que ainda exista a chance de uma vida normal. Até que um telefonema inesperado muda tudo. Ousado e poderoso, convincente ao extremo em seu retrato da obsessão, No escuro é um thriller arrebatador.


No Escuro, de Elizabeth Haynes, é um thriller que tirará o fôlego de muitos, senão de todos. Difícil mesmo é dizer o que sinto quanto à sua história, mesmo após dias desde o fim da leitura. A autora me tragou em seu livro de tal forma que muitas vezes ignorei os detalhes que tanto me incomodavam, à começar pela protagonista. Mas quem somos nós para julgar alguém que conviveu com o diabo por meses? Até os detalhes mais sórdidos do livro eram necessários para a construção do cenário que a autora propõe mostrar aos seus leitores. 


            No início, o livro é apenas um emaranhado de cenas e personagens que parecem desconexas e distantes uma das outras. Para os mais desatentos, algumas delas logo serão esquecidas com o desenrolar do livro. Afinal, quem seria aquela Naomi que aparece logo no iniciozinho do livro? E em quê ela se relaciona com uma Cathy que sofre os efeitos do TOC (transtorno obsessivo-compulsivo)? Nada disso faz sentido ao leitor nas primeiras páginas, e, talvez, nem pouco depois.  Mas, de fato, nossa protagonista é a solitária Cathy,uma mulher que há anos conta apenas consigo mesma e com sua obsessão por segurança. Quando o apartamento acima do seu é ocupado, porém, ela percebe que a sua carapaça de segurança não poderá ser mantida para sempre, já que seu novo vizinho será o primeiro a tentar destruir os muros que ela construiu ao redor de si mesma. Aceitar a amizade de um estranho, ainda mais um estranho que é homem, não é nada fácil para Cathy... Mas, no fim, quem resiste ao carisma do carinhoso Stuart?


            Cada capítulo do livro é uma peça do quebra-cabeça, que vai se encaixando com as outras lentamente. A autora propôs uma costura de fatos que varia entre os anos de 2003 e 2007, mostrando para nós como uma bem mais jovem Cathy perdeu seu espirito festeiro e audacioso ao encontrar um homem. A moça, em pleno 2003, que adorava sair para dançar com suas amigas, com certeza não imaginava que encontrar com Lee transformaria tanto a sua vida. O rapaz bonito, romântico e interessante, trabalhava na balada preferida da Cathy, e não precisou muito para que ele e Cathy começassem um relacionamento mais sério. Sério e rápido demais, logo Cathy descobriria. Afinal, que segredos aquele homem escondia?


            Mesmo sabendo que algum desastre havia acontecido para que Cathy deixasse de ser aquela jovem cheia de vida para transformar-se em uma mulher com medos obscuros, o livro continua uma incógnita até quase o final. Acompanhar o cotidiano da Cathy do passado e presente nos ajuda a ir montando o cenário de horror que ela viveu, mas o ápice disso tudo continua um mistério. Eu quase podia sentir o pavor da protagonista junto com ela, muitas vezes sem saber se o que a Cathy de 2007 temia era fruto de sua imaginação obsessiva ou de algo real. Qual o limite entre loucura e sanidade, quando estamos lidando com um sociopata como o Lee? Essa é uma dúvida compartilhada por Stuart, que também não consegue saber se o que a mulher que ele ama teme é apenas fruto de seus medos anteriores. Aliás, um ponto que deixou o livro mais interessante foi esse: o romance sutil entre Cathy e Stuart. 


            Tenho medo de contar mais à ponto de tirar a graça do livro, mas, de fato, a autora foi feliz em construir a narrativa do modo como foi feito. Apesar disso, eu estava muito mais interessada no que a Cathy de 2003 vivia do que na Cathy obsessiva e meio louca de 2007. Não queria usar essas palavras, mas elas me parecem úteis agora... A protagonista é chata. Os capítulos com a Cathy de 2007, até a metade do livro, são lentos e tomados pelas neuras dela, tornando a leitura lenta. No entanto, até esse detalhe pareceu importante para entendermos como os efeitos do sofrimento pode redefinir toda uma vida. 


            O que mais me descontentou foi o final. Sabe aquele final que não lhe diz nada? Eu simplesmente não consegui acreditar que Cathy foi até onde foi, e virou-se sem fazer nada. Pareceu-me incompleto, mas não digno de continuação... Talvez porque terminar um livro desse gênero seja difícil. Esperei 300 páginas para chegar à um final como esse? Sim, me senti decepcionada, mas nem por isso digo que o livro é ruim. Recomendo para quem curte o gênero e deseja uma leitura cheia de dúvidas. Quanto à mim, estou pronta para ler a nova obra da autora, Restos Humanos, publicada recentemente pela editora Intrínseca. 

4 comentários :

  1. Esse livro parece ser ótiimo. Acho interessante essa "viagem" no tempo, trafegando entre os anos de 2003 e 2007. Uma pena que tenha se decepcionado com o final.
    Adorei a resenha. Beijos!
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu estou louca para ler este livro mas me falta muita coragem kkkkk. Julgando pelo título e capa eu realmente pensei que se tratasse de algum terror muito macabro, de qualquer maneira, eu continuo amando e super interessada.

    Adorei a resenha.
    Beijos.
    livrosporumbeijo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Arine :)

    Eu sempre ficava namorando esse livro e quando ele foi pra 9,90 na Saraiva não aproveitei e perdi a promoção, mas depois da sua resenha a vontade de ler voltou e acho que vou pagar mais caro nele mesmo, que pena que você não curtiu o final. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa, amei o livro só pela capa e pela sinopse, rs depois de ler sua resenha fiquei ainda mais curiosa, já o adc aqui, e quanto ao final, de todos os livros q li desse genero tbm detestei o final, parece meio incompleto, argh, mas ainda sim pretendo ler :)

    http://pequenamiia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir