Resenha | Todo Dia (David Levithan)

5 comentários
Saudações!
                A resenha de hoje é um lançamento do mês de agosto da editora Galera Record. Ouvi muitos elogios ao livro e descobri o porquê assim que li as primeiras páginas! Confiram a resenha (não tão boa assim, rs) e, caso tenha lido o livro, troque sua experiência de leitura e diga o que achou [:


Todo DiaAutor: David Levithan
Editora Galera Record
280 páginas
Sinopse: Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.



Todo Dia é um daqueles livros que encantam desde as primeiras páginas, e, se você me perguntar o porquê, eu provavelmente não saberei explicar. É algo com a narrativa, com o protagonista… Há uma magia indiscutível nas entrelinhas do dito e não-dito que David Levithan, autor do livro, usou em sua obra. Enfim, preciso mesmo dizer a paixão que, um dia depois de ter terminado o livro, ainda nutro por suas palavras e personagens?

“Acordo.
                Imediatamente tenho que descobrir quem sou.”



          David Levithan, autor já conhecido por se dedicar à ficção/romance gay, esbanjou de sua criatividade e sensibilidade ao construir o personagem que acompanhamos do ínicio ao fim de Todo Dia, o A. Sim, só A. A é uma pessoa de 16 anos que vive uma vida no mínimo incomum… isso porque ele não possui corpo. Diariamente, o garoto (que pode muito bem ser uma garota) acorda num corpo diferente, e é simplesmente assim desde que ele consegue se lembrar. Um dia ele pode estar no corpo de um garoto nerd que gosta de poesia, noutro, ele está em uma garota punk ou ainda num garoto gay. A única coisa estável em sua mudança diária de corpo é que todas essas pessoas têm a sua mesma idade, 16 anos. E é numa dessas mudanças de corpo que ele conhece alguém que mudará suas prioridades e lhe trará pela primeira vez - depois de anos de resignação - o desejo de ficar e pertencer à algum lugar. Ele conhece a Rhiannon.


"É isso que o amor faz: que você queira reescrever o mundo. Que você queira escolher os personagens, construir o cenário, dirigir o roteiro."Pág.151



A narrativa poética e encantadora é dirigida em primeira pessoa pelo próprio A. Sem mais delongas, o livro já começa com o seu incrível encontro com aquela que seria a garota que mudaria o resto do sentido da sua vida. O enredo vai caminhando pelos esforços que o protagonista faz para, mesmo em um corpo diferente do dia anterior, continuar encontrando e passando um tempo com Rhiannon. A pode conviver com essa rotina… mas será que a garota que ele tanto ama conseguirá também?


Um ponto interessante do livro é o constante jogo com a questão de gênero/identidade sexual. Apesar de não ser tão simples de visualizar no inicio, a verdade é que A não é um homem ou uma mulher; A é A. Um indivíduo. Essa parece ser uma característica inerente do autor, que já escreveu livros em que o gênero das personagens parece confuso ou indeterminado. Durante Todo Dia isso é ainda mais visível nas vezes em que A mudou de corpo e foi parar no corpo de alguém homossexual. Quando estes são mostrados junto à seus pares românticos, o autor nos joga uma ideia incisiva: é tudo amor, não importa se o casal é heterossexual ou não… É tudo amor da mesma forma.


"Na minha experiência, desejo é desejo, amor é amor. Nunca me apaixonei por um gênero. Apaixonei-me por indivíduos." pag.123



                O livro possui uma história única e promete algumas lágrimas em seu final. David Levithan soube dirigir muito bem essa história, nos mostrando o quão difícil é você viver em um corpo estranho por um dia… Porém, apesar da história fantástica, a interação entre A e Riannon não é tão perfeita assim. Confesso que me irritei - e não poucas vezes - com o comportamento de Rhiannon, mas tento também entender o ponto dela. A verdade é que ela acabou sendo a personagem que menos gostei durante toda a história. No entanto, de resto, personagens cativantes (menos a Rhiannon, haha) e uma história sem igual se aliam na construção desse livro que tanto emocionou diversos leitores nessas últimas semanas. Confesso que chorei um pouquinho também.

“Queria que o amor conquistasse tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho. Ele depende de nós para conquistar em seu nome.” pág.242


Nota: 9.5

5 comentários :

  1. Só vejo resenhas maravilhosas sobre o livro e ele tem uma temática que eu adoro! Tenho certeza que será uma das minhas próximas aquisições *-*

    www.resenhasealgomais.com.br

    ResponderExcluir
  2. Primeiro livro que pretendo ler depois do perídodo de provas!
    Resenha encantadora!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  3. Como sempre, resenhas lindas, Inha ><
    Eu to lendo agora a primeira resenha de Todo dia e sobre o David e gostei muito. Parece aquele tipo de romance simples e lindinho pra gente suspirar e eu to precisando. Tirando as irritações causadas pelo Rhiannon, acho que leria mesmo <3
    Beijos, e saudades de comentar aqui hehe vou parar de safadeza e voltar a fazer isso mais vezes.

    ResponderExcluir
  4. Gostei da história. Esse livro eu acho que leria sem problema. Quando vi que o personagem acordava em outros corpos, lembrei dos livros da Stacey Jay (Julieta Imortal e Romeu Imortal).

    (:

    Não sei se é uma boa comparação, mas foi o que eu achei.

    Parabéns por mais uma excelente resenha. Beijos!!!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adorei a temática de Todod Dia, totalmente inusitada. Acho q poucas pessoas poderiam ter imaginado uma prisão tão diferente como essa q é estar preso ao corpo de pessoas diferentes a cada 24 horas. Bela resenha. Merece sim, ser lido!

    Adriana Medeiros

    minhavelhaestante1.blogspot.com

    ResponderExcluir