Resenha | Longe Daqui (Amy Bloom)

10 comentários

Saudações!
                Fiquem com mais uma resenha, e, se já leram ou querem ler, comentem!

Longe Daqui
Autora: Amy Bloom
Editora Nova Fronteira
 222 páginasSinopse: Longe Daqui é a história íntima e épica de Lillian Leyb, uma heroína acidental. Ao perder a família num pogrom russo, vai para os Estados Unidos sozinha, determinada a seguir em frente numa nova terra. Quando recebe a notícia de que a filha, Sophie, talvez ainda esteja viva, Lillian embarca numa verdadeira odisséia que a leva do mundo do teatro iídiche, no Lower East Side de Nova York, ao distrito do jazz de Seattle e, em seguida, ao Alasca, passando pelo lendário Telegraph Trail, rumo à Sibéria. Essa surpreendente viagem, conduzida pelo amor materno, faz de Longe daqui um romance belo e arrebatador, que cativa imediatamente o leitor. 


Resenha




Eu não esperava muito do livro. Já ouvi diversas pessoas falarem negativamente da obra, e acho que isso tem a ver com a narrativa confusa e de difícil leitura, que foi tecida quase que descuidadamente pela escritora. Não sei se deixar o leitor confuso era o objetivo da Amy Bloom, mas posso te dizer que é isso que ela consegue fazer durante mais da metade do livro. Dois ingredientes imprescindíveis para ler esse obra: atenção e paciência.

     "Perdi minha juventude feito um jogador com cartas ruins"

                Longe Daqui não é um romance romântico. Melhor dizendo, Lilian Leyb, nossa judia protagonista, não é romântica. Ela não acredita que o mundo será melhor e mais feliz, ela não nutre esperanças tolas; o mundo é o que é, e ela sabe que não pode mudá-lo. Quando, num dia fatídico, toda sua família é morta por não-judeus, apesar de todas as lagrimas e toda dor, ela seguiu em frente. Foi morar na América e lutou pela sua triste sobrevivência, já sem família, sem marido e, o pior de tudo, sem sua filhinha – a Sophie. Ela aprendera a dar seu corpo como moeda de troca por coisas, aprendeu a roubar dos mais ricos e a enganar as pessoas... Sim, essa é nossa Lilian.

               Porém, por mais sem esperanças que fosse a Lilian, foi impossível não deixar que uma fresta de luz entrasse em seu coração quando uma prima (que ela achava que estava morta) chega até ela e lhe dá a noticia: sua filha, Sophie, está viva, e morando no Alaska. Assim, Lilian decide deixar para trás tudo o que tem, que não é muito. Para ter sua filha de volta, ela larga seu noivo, seu amante (que, pasmem, é pai do noivo), e deixa para trás as poucas amizades que conseguiu fazer; sem muito dinheiro, ela parte rumo ao Alaska. E o livro irá contar o seu trajeto até lá, as pessoas que ela encontrou, os amigos que fez e as dificuldades que passou. Para entender essas personagens – tal como a própria Lilian -, acho bom que você deixe de lado seus preconceitos e lembre que aquela era uma outra época, com outros conceitos.  

         "O pai de Chinky dizia à ela o tempo todo, Não finja ser - seja." 

                O que achei impressionante foi a impessoalidade adotada durante toda a estória, fazendo com que todo o drama passado por Lilian não fosse tão dramático – e desculpe a grade redundância. Os personagens não são bons ou maus, são apenas humanos falhos e cheios de dores passadas. Enquanto alguns podem achar essa impessoalidade nos personagens uma coisa boa, acho que isso também pode ser um ponto negativo; afinal, se a única beleza do livro era o drama, por que tirar dele justamente o que o faria mais tocante? Não vejo sentido num livro notadamente “dramático” sem o merecido drama.

                Quanto à narrativa... Devo dizer, minha opinião quanto à ela varia muito. O livro todo é narrado em 3ª pessoa, deixando os sentimentos dos personagens bem de lado no decorrer da estória. Horas, a narrativa me parecia simplesmente genial; porém, depois, eu me sentia confusa, sentia que cenas do livro foram roubadas de mim sem que eu percebesse. Foi corte feito pela editora? A autora achou melhor não pôr no livro aquelas cenas que deveriam conectar duas partes diversas da estória? Não sei. Receio que tenha sido escolha da própria autora, tendo em vista o modo como ela construiu o restante da confusa narrativa.

       " 'Vivemos e amamos o mundo', pensa Lilian, 'e nos enganamos achando que o mundo corresponde ao nosso amor."

                Enfim, o livro é uma leitura lenta, algumas vezes complicada, e que exige muito da atenção do leitor. É um romance histórico, dramático, triste e muito realista. Pela postura da autora, já sabíamos que não podíamos esperar nada de tão bom ou perfeito para o final da obra; mas acho até que ela deu uma colher de chá e nos presenteou com o final mais feliz possível, diante todas as circunstâncias. Para aqueles leitores pacientes e que gostam de um drama histórico, acho que pode deixar de lado todas as criticas negativas que ouviu e se atirar de cabeça na estória do livro, lendo com cuidado (assim como eu fiz).

Nota: 7.5                             

10 comentários :

  1. Eu nunca tinha ouvido falar nesse livro aí quando vi sua resenha decidi conferir , e adorei viu :D Parece não ser o livro que faz meu tipo , mais não teria problemas em lê-lo beijos !

    euvivolendo.blogspot.com ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
  2. Depois de ler a sua resenha eu não tenho vontade de encarar essa leitura. Não gosto de história "enfeitada" demais. Sou a favor do estilo mais objetivo, direto ao ponto.
    E se é pra apostar no DRAMA, então que façam DRAMA mesmo... Achei bem mais ou menos.
    Beijos!!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nunca ouvi falar desse livro. Mas parece legal, pela sua resenha. Fiquei curiosa agora: será que ela encontra a filha?

    Bom, se for pra ler Drama, que seja realmente drama, e não um drama camuflado. Apesar de não ser muito dramatico, parece bem legal ^^

    ResponderExcluir
  4. Eu gosto de romances históricos, mas não fui com a cara desse ai. KKKKKKKKKKKKKK! POSSOFALAR? é personagem é doida né, é noiva do cara e ainda pega o pai dele, gente que crazy.
    Eu não gosto muito de dramas ;/ Sei lá não fui com a cara desse livro.

    ResponderExcluir
  5. Nossa pelo que percebi a história é bem doida. rsrsrsr

    beijokas!

    ResponderExcluir
  6. É o tipo de livro que busco... pois tô cansada de narrativas corridas e personagens pouco aprofundados... vou procurar. o/

    beijos

    Amy - Visite o Macchiato

    ResponderExcluir
  7. Nai, esse é o tipo de livro que eu gosto de ler raramente. São tristes demais e acabam me deixando mal também. Estranho né? Fiquei assim lendo o Caçador de Pipas, e tipo, essa cultura Ocidental *?* me corrija se me enganei, rsrs, é muito miserável :( Estou lendo Cruzando o Caminho do Sol, dps dele quero dar um tempo de livros tristes. Eles tem uma capacidade enorme de mexer com o leitor, Adorei sua resenha e digo : você escreve muito bem. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Adorei os quotes mais a estoria parece ser tão trágica...mais acho que o livro é bem legal valeria a pena lê-lo..

    xoxo

    ResponderExcluir
  9. Nao sei porque to com birra desse livro, peguei antipatia por ele sem motivo algum. Enfim ate que gostei das partes retiradas do livro.

    ResponderExcluir
  10. Se alguém tiver esse livro em pdf, por favor, mandem para mim-E-mail-emma.addams.7@hotmail.com

    ResponderExcluir