A menina que não sabia ler (John Harding)

5 comentários


Olá, leitorada *-*
                Gente, peço desculpas – de novo novamente, rs – pela falta de atualização do blog. Minha net decidiu que me odeia e não pegou de jeito nenhum, durante toda essa semana. Imaginem meu desespero! Sem net = tédio. Rs’

                Agora vamos à resenha *-*.

                                                    A Menina Que Não Sabia Ler
Autor: John Harding
Editora Leya
282 páginas

Sinopse:
1891. Nova Inglaterra. Em uma distante e escura mansão, onde nada é o que parece, a pequena Florence é negligenciada pelo seu tutor e tio. Guardada como um brinquedo, a menina passa seus dias perambulando pelos corredores e inventando histórias que conta a si mesma, em uma rotina tediosa e desinteressante. Até que um dia Florence encontra a biblioteca proibida da mansão. E passa a devorar os livros em segredo. Mas existem mistérios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Quem eram seus pais? Por que Florence sonha sempre com uma misteriosa mulher ameaçando Giles, seu irmão caçula? O que esconde a Srta. Taylor? E por que o tio a proibiu de ler? Florence precisa reunir todas as pistas possíveis e encontrar respostas que ajudem a defender seu irmão e preservar sua paixão secreta pelos livros - únicos companheiros e confidentes - antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário. Ou será que tudo isso não seria somente delírios de uma jovem com muita imaginação?


Resenha:
Esse é um daqueles livros em que ficamos horas e horas pensando em como começar uma resenha. Inicialmente, a história nos parece simples, afinal, quem suporia que o livro seria como seria, só olhando aquela linda capa? Obviamente, tanto a capa quanto o titulo do livro foram jogo de marketing, porém, não acho que isso seja um fator ruim – como ouvi muitas pessoas falarem tolamente por ai. Tudo hoje em dia é jogo de marketing. Tudo. E seus livros, independente de quais sejam, também possuem um pouco disso em suas capas chamativas, seus títulos tentadores. Capitalismo à parte, falemos um pouco mais sobre o que achei do livro.
               
                Começamos o livro numa Inglaterra de pouco mais de uma centena de anos atrás, onde meninas ainda eram treinadas para serem boas esposas, e meninos eram preparados para lidar com o mundo capitalista cheio de fortuna. Com certeza, isso, mais do que tudo, foi um grande fator para eu ter querido ler o livro, apesar de todos criticarem principalmente o final da obra. Não querendo começar a corrida pelo fim, prefiro deixar meus comentários sobre tais fatos que finalizam o livro, para depois. A Menina que não Sabia ler é narrado totalmente pela própria menina que, supõe-se, “não sabe ler”. Na verdade, logo percebemos que Florence, a menina, é uma garota gênio que aprende a ler sozinha, enquanto seu tio – personagem que, diga-se de passagem, não tem presença significativa no livro – tem a teoria de que mulher não deve aprender como os homens, saber coisas que os homens sabem – como ler. Florence se apaixona perdidamente pela biblioteca inutilizada de sua casa, (imagine só, uma biblioteca imensa só para você, com aquele cheiro de livro velho se misturando ao sabor do silêncio comedido, ideal para te fazer viajar numa leitura), e passa a frequentar o lugar diariamente, ficando lá por horas e horas. Ela devora livros como os de Shakespear, Jane Austen, Gibbon, e muitos outros da literatura clássica mundial. É óbvio que isso é surpreendente, pelo fato de que a menina, quando passou a ler livros desse porte, não passava de seus 10 anos. 

                Apesar do fato do livro todo ser narrado por Florence, um personagem muito importante da história é Giles, o meio-irmão mais novo da garota. Acrescentando o fato de que a menina é super protetora com relação ao garoto, pelo fato de ambos serem órfãos, logo percebemos que tudo se desenrola por causa do amor que Florence nutre pelo garoto. Já ele, é um daqueles garotos meigos, fraquinhos demais para se tornarem perversos, apesar de ser estranho – sim, acho que perguntar à todos que você conhece como ela escolheria morrer, te torna uma pessoa estranha, rs. A história do livro só vai começar a pegar impulso de verdade, quando a primeira preceptora de seu irmão chega à sua casa. Sei, quem leu o livro vai dizer que estou louca, já que a primeira preceptora, a Sr.Whitaker, apareceu muito pouco – Florence narrou de forma rápida como a mulher, fria e fútil, teve uma morte trágica no lago -, mas acho que esse aparecimento rápido não foi inútil no livro. Devemos focar no ódio que Florence nutria pela jovem mulher, por ela agir de maneira quase rude com seu irmão, não lhe dando a devida atenção, e acrescentar ao fato de que ela estava presente no momento que a Sr.Whitaker morreu. Isso tudo, acho eu, fez com que nossa pequena Florence enlouquecesse, ao ver aparecer em sua casa a segunda preceptora, que, para a garota, era o fantasma da Sr.Whitaker que viera para matar seu irmão, tirá-lo dela. E isso é só o começo.  Somos puxados, então, para um mistério envolvente, onde não sabemos onde começa a imaginação de Florence sobre o que acontece, ou se tudo é verdade.  Sra. Taylor, a nova preceptora, torna-se a maior duvida de todo o livro. Será que ela quer realmente ferir Giles, levá-lo para um lugar distante? Será que ela usa espelhos para espionar a casa? Essas são só as primeiras teorias que Florence tem da preceptora de seu irmão.

                Não sei se eu deveria escrever isso aqui, afinal, prometi a mim mesma que tentaria ser impessoal nessa resenha em particular, mas considero que em algum momento nossa jovem Florence desenvolveu tendências à loucura. Não digo que ela enlouqueceu, mas que não vi na sra.Taylor – após analisar muito a mesma – toda aquela maldade que a menina enxergava em cada uma das ações da mulher. Como o livro é narrado todo por Florence, acabamos tendo como base somente um ponto de vista, e o final do livro é, no mínimo, inconcluso; apesar de que, para mim, foi este final a minha maior prova de que a garota tinha tendências esquizofrênicas. Para quem pretende ler o livro, recomendo que preste atenção nas cenas com os personagens secundários, pois – ao menos para mim – eles dão dicas do que realmente está acontecendo, “ fora” daquele mundo doentio de Florence.

                Sim, apesar de tantas criticas de outros ao livro, gostei da obra. Narrativa perfeita, personagens muito bem feitos e contexto interessante – apesar de estranho. Muitas pessoas acreditam que não, mas acho que tudo no livro foi realmente intencionado pelo autor, apesar de percebermos que há furos durante o contexto (perguntas lançadas por Florence e que o autor não respondeu, ao fim do livro), e o final da obra foi feita para deixar leitores aflitos com o fato de que teriam de tirar suas próprias conclusões. Livro recomendado para quem gosta de um bom suspense/mistério, com um toque de loucura. Haha.

Nota: 9 (De verdade, o livro é bom, mas não é aquele negócio “marcante”, como pode fazer parecer pelo seu titulo).

Ass.: Arine-san

5 comentários :

  1. Ótima resenha!!
    A menina lê Shakespeare aos 10 anos
    e o livro se chama "A menina que não sabia ler".
    Como assim???
    rsrsrsrs
    Você não poderia ter encerrado de outra maneira: "um toque de loucura"
    Estupendo!!!
    Um abraço...
    Ah, tem novo debate lá no blog.

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. eu fiquei realmente muito brava com o final do livro..a Florence se tornou uma assassina em série com um problema que ela podia ter resolvido de uma maneira diferente! não ficou entre os meu preferidos!

    ResponderExcluir
  3. Bem ao ler seu post fui ficando curiosa sobre a obra, mas quando vc informa q o final não é assim um final, acabou minha vontade, pois ODEIO livros sem fim...rs

    ResponderExcluir
  4. Esse é um dos livros que quero muito ler!

    ResponderExcluir

  5. Oi adorei.. muito obrigado, depois de ter lido sua resenha...me interessei pelo livro....mas vc já leu o livro reverso ... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda
    www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir