Corrida para o altar (Patricia Thayer)

3 comentários
                                                 Corrida para o altar
Autora: Patricia Thayer
Editora Nova Cultura
120 páginas


Sinopse:
Tudo o que ele queria era uma esposa de fachada, mas o que conseguiu foi um amor que duraria pra sempre... Griff Garrison era rude,magoado pela vida ,mas ao mesmo tempo gentil e preocupado,devido a uma aposta feita por seu pai que colocou ainda mais irmão contra irmão,ele se vê obrigado a encontrar uma esposa para não perder a única coisa que ama na vida,a fazenda Lazy G, ele volta a cabana onde cresceu e lá reencontra a única pessoa da qual se arrepende de ter deixado ao longo do caminho... Sua linda e triste amiga de infância Laney Jones...Mas o destino resolve colocar ambos no caminho um do outro, em meio de uma nevasca ele a resgata e a leva consigo... É como se o destino resolvesse ajudar finalmente... Griff precisa de uma esposa, Laney de um pai pro seu bebe ainda não nascido... Será que esses dois amigos encontrarão um no outro o abrigo que seus corações buscam a tanto tempo??? Corrida para o altar é um livro que vale a pena ser lido, Griff é um cowboy rústico mas com um coração imenso, Laney uma mocinha frágil mas com grande força interior...e ainda vale a pena ser lido pela historia do pai dele,que busca reparar os erros do passado.

Resenha:
Corrida para o Altar, diga-se logo, é um livro que envolve cowboys, mocinhas inocentes e amor entre amigos de infância. Se eu soubesse que homens vaqueiros seriam um dos temas do livro, nunca teria começado a lê-lo... Vaqueiros costumam ser arrogantes, cheios de si e nem um pouco amorosos. Haha. Há mais motivos para eu fugir dos cowboys...? Mas, enfim, não li a sinopse do livro, e, mesmo ao descobrir que Griff era um nato homem da fazenda, continuei lendo o livro – curtíssimo, por sinal.

                Griff é um daqueles homens meio retraídos, que não conseguem sarar totalmente os machucados provocados pela vivência. Sua infância não foi das mais fáceis, apesar de pertencer a uma família razoavelmente rica. Apesar de seu pai tê-lo aceitado de braços abertos na fazenda, a verdade sempre estaria ali: Griff era filho bastardo, o que o tornava indesejado pela atual esposa de seu pai. Além disso, seu pai já tinha um outro filho com sua nova esposa, e o irmão mais novo de Griff não era muito gentil com ele. Criado nesse meio um tanto sem amor familiar, ele não era muito bom com relações, principalmente com relações com mulheres. Mas isso vai ter que mudar, se ele quiser continuar cuidando da fazenda que tanto ama... Seu pai propôs uma louca competição entre Griff e seu irmão mais novo, dizendo que quem se casasse mais rápido e lhe desse netos seria o dono oficial da fazenda e propriedades. Apesar de não concordar com a idéia, Griff não queria esperar para perder a única coisa que o alegrava: a fazenda. Ele iria fazer o que tinha de ser feito...

                Convenientemente, (ou não, hehe), Griff, irritado, busca um refugio para pensar melhor. Ele volta para a cidade em que morou na infância, antes de mudar-se para a casa de seu pai. Lá, ele tivera uma única amiga – uma menina meiga, que ele tinha o prazer de ajudar sempre que possível. E essa é a Laney. Sem mãe ou pai, a menina fora criada na casa de parentes que malmente a suportavam, e ela nem mesmo tinha direito o que comer, e por isso ela lembra-se de Griff como um tipo de herói. Quando pequenos, ele sempre a ajudou, dividia sua merenda com a garota, etc. Agora, quando Griff está de volta à cidade de sua infância, depois de 12 anos, adivinhe quem ele encontra, jogada no meio da neve (quase um peru defumado, haha)? Sim, ela mesma. Laney. E, pior, ela está grávida, sem abrigo e viúva... Tudo muito conveniente para Griff, que pode ajudá-la ao memso tempo que se ajuda: ele dará um lar para ela e o filho que abriga no ventre, enquanto fingem ser marido e mulher. Ele a dará honra, e, em troca, poderá continuar com a fazenda que tanto ama.

                Não sei se pelo tamanho do livro... Enfim, a estória tinha uma narrativa corrida, as vezes. Suponho que, até mesmo por ser um Sabrina, esse livro foi mais “recortado” que tudo na vida. Os personagens, confesso, são até legais... apesar de Griff ter um pensamento que reflete algo do tipo “Deus me livre de amar”. Ele tem medo de entregar-se ao sentimento, e por isso se afasta de Laney, mulher que ele deseja com grande intensidade. Já Laney, teve uma vida sofrida, mas não é do tipo que se lamenta, o que a torna simpática. Eles dois, juntos, combinam muito; e há algumas cenas fofas ao redor do livro. Se a autora fosse mais cuidadosa na narrativa, o livro seria realmente muito bom.

Nota: 8.0
Arine-san

3 comentários :

  1. Embora eu não curta muito esses livros, a história me deixou com uma pontinha de curiosidade...

    bjks!

    ResponderExcluir
  2. Adoro esse livros 'Sabrina'. Minha mãe me viciou neles, é bom quando vc quer apensa ler e se distrai.
    Nunca li essa história, me parece legal, vou procurar.

    =*
    E que você tenha tempo para Obsessão (yn)

    ResponderExcluir
  3. a resenha ficou otima, essa capa meio antiga é adoravel, gostei muito

    ResponderExcluir