A Última Música (Nicholas Sparks) - Ed.Novo Conceito

10 comentários

Olá, meus queridos. Como vão? Bem, trago, agorinha, uma resenha que estava programada para ser postada ontem, porém... Haha. Enfim,  de qualquer forma, é provável que hoje tenha dois posts: essa resenha e o que já estava programado para hoje. Espero que gostem.

                                          A Última Música
Autor: Nicholas Sparks
Editora Novo Conceito
397 páginas (uma leitura bem rápida, apesar disso ^^)

Sinopse:
Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virada de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciaram e seu pai decide ir morar na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor para os filhos passarem as férias de verão com ele na Carolina do Norte. O pai de Ronnie, ex-pianista, vive uma vida tranquila na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação dele e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai baixando a guarda começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida. Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos, o recomeço e o perdão – A ULTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue, as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração. 

Resenha:
Acho importante dizer, logo de inicio, que não me sinto segura ao começar essa resenha. Primeiro, porque acho que tudo que direi já foi dito por outras pessoas, e tenho certeza de que isso é verdade. O mais impressionante no livro, é que ele não se trata de uma história de amor, e nem de uma história familiar... Não, de alguma forma estranha, talvez até sinistra, Nicholas conseguiu unir os dois assuntos num livro só, o que deixa o assunto principal do livro meio escondido por entre as palavras belas. Se eu tinha medo do evidente drama que ocupa os livros do Nicholas S.? Sim. Mas me enganei ao simplificar tanto esse drama, ao transformá-lo em algo simples e puramente triste e melancólico, talvez até gótico. Essa sensação de alegria e melancolia moderada, creio eu, só sente quem já leu um livro do autor... Este em especial.

                Ronnie é uma daquelas personagens que todos se identificam de cara, mesmo aqueles que já (há muito, haha) passaram da fase de adolescência. A separação dos pais, a união de sua mãe com um outro cara, o abandono do pai... Tudo isso acabou por torná-la uma garota essencialmente rebelde. Sim, ela sai de casa e nunca volta antes das 10 da noite, e, claro, ela anda com as pessoas erradas nos lugares errados; porém, isso não tira dela a fragilidade que só os adolescentes podem sentir, nessas fases. Acima de tudo, ela cometeu erros, mas esses erros não transformam ela em uma vilã, apesar de assim parecer aos olhos de quem não a conhece interiormente. A verdade é que ela somente tem medo de encarar a vida – ou foi assim que a julguei -, tem raiva do que seus pais fizeram-na sofrer com a separação inexplicável. Ela culpava o pai, e já há três anos se recusava a comunicar-se com ele, mesmo ambos tendo passado vários momentos dos anos anteriores juntos, enquanto o pai de Ronnie ensinava à ela os primeiros passos no piano – instrumento em que ela mostrara afinidade imediata, alguma tipo de dom nato. Agora, Ronnie e seu irmão são forçados a passarem um verão inteiro mais o pai, numa cidade pequena, logo lá onde o vento faz a curva e Judas perdeu as botas. O que poderá acontecer, então, entre ela e seu pai?

                O inicio do livro, confesso com pesar, é um pouco lento. Acho que as primeiras cem páginas são as mais difíceis de ler, não por não serem exatamente interessantes... É só que é meio parado, é como um grande prólogo de um livro. As primeiras páginas, acho eu, serviu para que conhecêssemos um pouco mais de Ronnie e de suas frustrações. Ela já fora acusada de roubo – pequenos furtos – uma vez, e estava sob “vigilância”, de modo que não podia se envolver com nada de errado sem se ver à um pé dentro da cadeia, mas ela própria confessara o crime e aceitava seus erros passados. Além disso, a ultima acusação de roubo não fora justa... Sim, ela havia roubado antes, mas, daquela vez não fora ela a culpada do furto! O que a deixava revoltada era a incompreensão palpável da mãe. Dessa forma, Ronnie tem problemas para se relacionar com os pais, é meio mal-humorada, tem mexas roxas no cabelo e se veste toda de preto, além de ser vegetariana. Mas, juntamente com isso, por dentro temos uma garota doce, que adora o irmão mais novo (que é um amor de criança! A coisa mais fofa!). Mas, logo percebemos, esse verão será o mais importante de Ronnie...

               Mesmo na cidadezinha pequena, a estória construida por Nicholas continua muito constante e cheia de altos e baixos: Ronnie se envolve com pessoas erradas, se vê sendo acusada de outro furto que não cometeu, acaba se envolvendo num romance com um cara que irá para uma faculdade distante quando o verão acabar, e ainda tem os problemas com o relacionamento com o pai... Apesar disso, tudo, bem lentamente, vai se resolvendo. O desenvolvimento dos personagens é perfeito, o que torna cada um muito único e marcante: no pai da garota, vemos um grande amor incondicional por seus filhos, mesmo com os problemas; em Jonah, o irmão de Ronnie, vemos um garotinho um tanto frágil mas cheio de si, uma gracinha; em Will, o “namorado-de-verão” da garota, vemos um rapaz fofo e cheio de amor para dar. Cada um deles é especial para a estória, e, sem eles, o quebra-cabeça não poderia ser montado. Os personagens secundários – mesmo sendo um tanto difícil identificá-los diretamente no livro, de tão interligados que todos são uns com os outros! – são também muito bons, e tornam a estória por vezes divertida, por vezes dramática, ou, algumas vezes, somente mais confortável.  Porém, diante de tudo, só tenho uma coisa a dizer: o final é surpreendente, e não pelo fato de você não saber o que vai acontecer. Você sabe, tenta imaginar, mas sua imaginação não fará jus à dinâmica belíssima que Nicholas S. possui ao escrever. E isso é um fato.

Nota: 10.

Ass.: Arine-san.
Agora está na hora de buscar os outros livros do autor, não acham? [:

10 comentários :

  1. Olá Arine-san minha quase irmã gêmea ashuahsuasa

    Nunca li nada do Nicholas ><
    Apesar de ter um livro dele aqui em casa. sempre coloco outros na frente ><
    Ele não faz tanto o meu gênero, mas tenho que criar vergonha e ler logo algo dele, né?
    Que bom que gostou da leitura.
    Pela sua resenha, vi que o livro até que se parece muito com o filme, (num é que o filme eu até bom apesar de não ir com a cara da Miley :P)
    Sempre ouvi dizer que os livros do Nicholas nos desmancha em lagrimas, rs.
    Amei a resenha. Bjão sua linda!

    -Amigas Entre Livros-

    ResponderExcluir
  2. Nicholas Sparks é perfeito não é mesmo?
    sou louca para ler os livros, dele. Mês que vem minhas comprinhas serão todas voltadas ao livros dele.

    http://dezesseisnaoecrianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Esse é um dos (muitos) livros do Nicholas que ainda não li.
    Como já li dois dele, fico encantada com a escrita envolvente e um dia quero ter todos na minha estante. Não sou de chorar, mas me emociono muito lendo.

    Beijos
    Leitora Incomum

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li esse livro, mas assisti o filme e fiquei completamente apaixonada!

    Ainda da tempo de participar da PROMOÇÃO lá no Sook e concorrer ao livro "Guardiões".

    Tem post novo por lá...

    BjO
    http://the-sook.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha. Bem sincera e explicativa.

    Confesso que foi a primeira resenha que li de um livro desse autor. Eu sempre fico pensando "Esses livros dele devem ser bem melosos e cansativos", mas acho que pelo que li na sua resenha não estou certa, né? x)

    Só fiquei com medo dessas tal cem páginas co ritmo devagar no início. Eu não sou a pessoa mais paciente do mundo com livros parados...

    Mas enfim. Eu ainda lerei um livro dele pq não param de me recomendar ele :)

    --
    Ah, tem selinho pra ti. Se quiser, pega aqui: http://chicletebipolar.blogspot.com/2012/02/tag-recebida-do-blog-rosa-rosalina.html

    ResponderExcluir
  6. Jáa vi o filme mais estou doida para ler o livro *-*

    ResponderExcluir
  7. Nicholas Sparks é um dos meus autores preferidos, sabe como emocionar seus leitores de uma forma incrível!

    ResponderExcluir
  8. Tenho esse livro aqui a bastante tempo mais ainda não tive a oportunidade de ler por conta de que tenho uns 5 livros antes dele. Todas as minhas amigas que o leram e já leram outros livros do Nicholas classificam A Última Música como seu livro favorito do autor. Espero que eu goste dele, porque o comprei com uma vontade que não entendo como ainda não comecei a ler.

    ResponderExcluir
  9. Liiinda a sua resenha! Eu tinha visto o filme e nao tinha gostado muito.. mas me disseram q o livro era beeem melhor, entao peguei emprestado e li. ME APAIXONEI! Eu chorei litros no livro.. e sua resenha fez jus a tdo q senti lendo! Bjos ;)

    ResponderExcluir
  10. Linda a resenha e amei a sinopse! Já assisti o filme e ainda não li o livro. Adoro Nicholas Sparks!

    ResponderExcluir