Um amigo muito, muito especial (Melodie Adams)

Um comentário
Um amigo muito, muito especial Autora: Melodie Adams
Sabrina vol. 627 (A Cegonha Chegou)

Sinopse: Steve olhava com ternura a mulher sentada diante de si. E sentia uma vontade imensa de tomá-la nos braços e acariciá-la. "Não me veja apenas como um amigo", ele pedia em pensamento. "Eu te amo tanto, tanto... Deixe pelo menos eu tentar fazê-la feliz... Isso nos faria tão bem..."
Priscilla, pensativa, acariciava o ventre. Em breve seu bebê iria nascer e isso a inundava de alegria. Pena que Steve não era o pai daquela criança. Pena que ele aparecera tarde em sua vida e se tornara somente um grande amigo...



Faz mais de uma semana que li o livro, mas fiquei com um pé atrás sobre resenhá-lo, ou não. Como eu já disse, não considero nenhum livro ruim, e esse realmente não o é - cheio de cenas fofas, um casal igualmente fofo e uma estória puramente fofa (com direito à um único beijo, no final de todo o livro) -, mas sem importância alguma. Gosto de livros que tenham no minimo alguma profundidade... sei lá, algo a aprender. O que aprendi com esse livro? Não sei. Talvez que... amigos podem, na verdade, serem seus amantes? Realmente, sei lá.
       Como esse é mais um livro da fofa série A Cegonha Chegou (Sabrina), é obvio que a personagem principal está grávida - e, de praxe, sozinha. Eu realmente odeio homens que abandonam as mulheres após saberem que elas estão grávidas! Isso soa tão covarde... Mas, enfim, a verdade é que Priscilla, a jovem grávida, já estava decidida a não relacionar-se mais (não dessa maneira romantica). Ela é redatora de uma revista (ah, que sonho, para mim), que, aliás, está numa empresa que quase vai indo à falência. Por isso mesmo, Steve foi chamado - para salvar aquela impresa, para tornar-se uma bóia salva-vidas no meio do mar da crise. 
        Steve conversava - para não dizer flertava -, com todas as pessoas (diga-se de passagem: maioria = mulheres) da empresa editorial. É verdade, ele era bonito, e todos comentavam sua presença, como se ele fosse um artista de cinema; ele só não contava tanto com o fato que Priscilla era totalmente imune aos seus "encantos" e feromônios masculinos! Priscilla o odiava, sem nem conhece-lo. As primeiras cenas entre os dois foram realmente hilárias! Imagine só, a primeira vez que Steve a viu, ela estava sentada, a visão do corpo dela totalmente coberta por uma montanha de papel; e, na segunda vez (só na segunda!), ele percebera que ela estava grávida! Foi muito engraçado, ele pareceu cair de um prédio de vinte andares! Priscilla, aliás, riu tanto quanto eu. Steve é mesmo um idiota... Porém, para felicidade de Priscilla, após ele descobrir sua gravidez, ficou envergonhado demais para continuar a tentar chamá-la para um encontro romantico. 
        Eles se tornam amigos - não sem um minimo de relutância por parte de Priscilla (a independente Priscilla). Steve, muito lentamente, foi tornando-se parte da vida de Priscilla, apoiando-a quando, na verdade, ela estava totalmente sozinha. Sem os pais, sem familiares proximos, sem amigos... Era apenas ela e o bebê, que estava para chegar. Steve, então, do meio para o fim do livro, tornou-se realmente um homem adorável! ELe até pintou o quarto do bebê, como um favor à Priscilla - embora eu desconfie de outras tantas coisas (rs) -, e comrpou brinquedos e coisas para o futuro filho da sua dita amiga. 
        Antes que ambos percebessem, havia muito mais entre eles do que uma simples amizade... E, para isso, não fora necessário nenhum jogo de sedução, nenhum (nenhumzinho!) beijo apaixonado ou desejo sexual. Para isso, só bastou a amizade. Pura, e simplesmente, sincera amizade.
        O problema é que Steve descobriu-se apaixonado pela sua amiga grávida. Ou, pior que isso: descobriu que a ama. Ele não queria isso. Ela, então, muito menos. O que fazer? Ele decide partir, mesmo com a oferta de emprego que haviam lhe feito, o que, se ele aceitasse, trabalharia naquela cidade mesmo. Na verdade, ele nunca tivera um lar. Sempre de estado em estado, região em região; ele conhecia todo o país, por causa de seu trabalho. E gostava disso - gostava dessa vida. Porém, gostava ainda mais de Priscilla... Apesar do fato dela deixar muito claro que não sentia o mesmo.
        O que acontecerá entre ambos? O que decide tudo (não querendo dar spoiler, mas já dando), é o nascimento do bebê, logo no final do livro. Embora já esteja tudo muito claro (até porque isso aqui é um romance de banca), não direi mais nada, ok? 
        O livro é curtinho e bem light. Não há muitas intrigas, não há muitas confusões, e tudo se resume à uma estória de, a principio, amizade... e, futuramente, amor. Porém, como distinguir entre as duas coisas?Não seria a amizade uma especie de amor? Amor e amizade; ambos, nesse livro, se confundem numa dança linda; ambos são a mesma coisa.


Nota: 9.0


Arine-chan

Um comentário :

  1. Oii :)

    (Primeiramente desculpinhas pelo sumiço..é dificil dar conta de estudos e trabalho kk)

    Já ouvi o nome desse livro, mas com uma sinopse diferente e com a história diferente...Até que me despertou uma curiosidade pra lê-lo, que sabe um dia dou uma chance pra poder ler.
    Big beijones
    http://meninamulhermomentos.blogspot.com/

    ResponderExcluir